SUFFOCATION OF SOUL > The first attack

A Bahia sempre ao meu ver teve inúmeros nomes dentro do Metal que souberam representar de forma vasta e inteligente. Grandes bandas atuais começaram com pequenos intuitos, integrantes sedentos, objetivos e a procura de sonhos, e com o Suffocation Of Soul não foi diferente, banda que conheço desde o ‘The Last Way Madness’. A banda oriunda de Poções (BA) mostra que desde o inicio não veio somente pra brincar ou pra bancar de apenas mais uma banda, disso eu garanto, com vários shows pelo Brasil, turnês com bom índice de reconhecimento, novas conquistas os aguardando, novas fases e aprendizados.

O primeiro material foi o ‘Demoniac Empire’ (2008), demo pela qual não me senti muito agrado quando ouvi as primeiras vezes, sou apaixonado por Thrash Metal e por vezes não curti o que era executado ali, talvez pelo Heavy tradicional que foi incluído (Existe muitas bandas que observo que não precisa buscar mais um gênero para ficar interessante), certo, simplesmente não me deixou com falsa esperança a um próximo material porque digamos que tinha um empate, o ‘The Last Way Madness’ (2011) já havia me agradado de cara por me mostrar algo mais ‘’porrada’’, algo mais Thrash Metal Old School.
Oportunidades ímpares mostra sinal de evolução, empenho e dedicação é sinal de alta demonstração. Frase que vale pelo que ouvi no ‘The First Attack’ (2014), 3 anos após o lançamento do material anterior. A espera valeu a pela, o poder intenso e bem executado do Thrash Metal veio com força total. Full contendo 9 faixas de alto teor de qualidade, ótimas mudanças do vocal, novos rumos das músicas e boas influências.

Foi disponibilizado antes do lançamento 'Urban Cancer' e 'Dead World', dando já o toque do que estava vindo pela frente, me deixando empolgado em conferir a potência de mais um material, e eis que 'First Attack' (2014) foi lançado com 53 minutos de audição para agradar os fãs.Com uma produção que botou tudo que precisava, dando mais gás a banda, tendo as guitarras executadas por Tarcisio Correia e Mauricio Souza é o ponto alto do álbum com riffs que ficam na cabeça mesmo após uma única audição (Não foi a toa que na primeira vez que ouvi fiquei empolgado), solos altamente elaboradas com todas as notas bastante audíveis, um baixo em um volume bastante esperto e com distorção perfeita, fazendo assim um ciclo de marca precisa e organizada dentro da 'cozinha musical'. Músicas repletas de rapidez, refrões, eficácia e astucia.
O ponto negativo foi por conta do que me deixou intrigado, a instrumental 'Gates of Sodom' e seus 10 minutos, alternando agressividade e melodias até 3 minutos, porém me deixando no tédio quando ultrapassa de 4, existe vários tipos de instrumentais, mas essa foi bem exagerada na dose. Fora isso, o disco é pura empolgação, é difícil enjoar de escutar, a cada audição se percebe um novo detalhe e artifício para dar um 'tempero' a mais. Destaca-se também a arte da capa, cheia de significados, além de mostrar um conceito contido nas letras nas letras (Bem criativas e repleta de sentimentos).

Para fechar o petardo, temos ainda a agressiva “Prelude to a Nuclear War” e novamente a faixa inclusa também no EP auto intitulado “The Last Way of Madness”. E não esquecendo do cover para “Império Profano” do Taurus, que ficou na medida certa e que ficou (Em minha opinião) no episódio: ''Covers que podem chegar a ser melhores que a original''. Sendo assim, uma banda que tem muito pela frente e que está se preparando para estrear mais um material de vergonha e que estará sendo apreciado de forma sensata e verdadeira. Altamente recomendado!
P.S.: Alexandre Chakal, desculpa a imensa demora dessa resenha.
Formação:
André Costa (Vocal e Baixo)
Tarcisio Correia (Guitarra)
Marlon Pacheco (Bateria)
Mauricio Souza (Guitarra)

Track-list:
01-Urban Cancer
02-Dead World
03-The First Attack
04-Heavy Artillery
05-Imperio Humano (Taurus cover)
06-H.T. (Unholy Invasion)
07-Gates of Sodom
08-Prelude to a Nuclear War
09-The last Way of Madness

Para adquirir "The First Attack"