VELHO > vida longa ao primitivo + Senhor de tudo

Pedro Hewitt
Quando os portais do inferno se abrem, quando as trincheiras onde se escondem os demônios mais absurdos do submundo retornam à vida e a ploriferação do caos surge para acabar com qualquer tipo de seguidores do cristianismo, a horda VELHO trazem novamente para nós o CD que reside os dois materiais lançados em um só.

A negação de qualquer entidade religiosa é o que há de cima a baixo nessa compilação que restituem pela verdade, mas sem sair do foco esses hellbangers mostram letras que remetem um encontro do obscuro obtido pelo inconsciente, cada uma remetendo palavras bem encaixadas como se fossem poesias. 

Essa resenha vai ser direta e reta, sem divisões de Lado A/B. A única observação que farei é: “Vida longa ao Primitivo” (Gravado em outubro de 2009) e “O Senhor de Tudo!” (Gravado durante o segundo semestre de 2012). 

Conheci o VELHO através de amigos, e não era pra mais e nem pra menos que fosse indicada a melhor faixa de todas, com um instrumental bem Speed Metal, que possui a letra mais aterrorizante e que busca de todas as maneiras ao ver de minha interpretação a perturbação mental para uma individualização onipresente e um decrépito instigado ao dito ''próximo/semelhante'' para uma busca de um conhecimento inalcançável. Sem enrolação, a faixa destaque de todo material! 

É indispensável comentar que as pitadas “gélidas” de bandas europeias de Black Metal no inicio dos anos 90 é encaixado com muita sabedoria nas faixas, ou seja, sem quebradas, simples, direto e sempre exalando potencialidade máxima. 

Mesmo com a gravação do 'Vida Longa ao Primitivo' ser mais diferente do que o 'Senhor de Tudo', ainda soa normamelmente aquele lance bem misantropo, mas de uma forma variada, na faixa “O Único Caminho” por exemplo, a banda conseguiu mesclar aquela rapidez com partes mais lentas (Sem soar abusivo), sua letra de total desprezo com que a humanidade conseguiu fazer até aqui (Não é ser 'anti-humano', é criticar ela ao meu ver, não confundam). 

Outra observação; Não são todas as letras que são compostas por Thiago Caronte. “Coma induzido” é a única composição da guitarrista Valéria Tenebra que fez parte da primeira formação da banda, essa música começa com um ritmo bem cadenciado e extremo, sem ficar com aquela asneira maçante. 

Quando você menso espera há uma faixa escondida, então não tire ainda do play. Um cover do grand Darkthrone, a música “Under a Funeral Moon”. Então finaliza essa porra com gás total! 

As faixas bônus contém algo inédito, que foi a 1° prévia de 'Satã Apareça' (Gravada recentemente) e 'A Nova Onda Ocultista' que virá ser lançada no decorrer do tempo, mais as 'Live songs' que daí você já imagina como será uma apresentação dos caras. Quem ouve o som do VELHO entorta a vida fudidamente, pode ter certeza disso. Recomendado!

Tracklist: 
01 Uma trilha sem Pegadas 
02 O poder é Real 
03 Perto dos Portais da Loucura 
04 Senhor de Tudo 
05 O Único Caminho 
06 Newton Misantropo 
07 A mesma Velha História 
08 Mais um Ano Esfria 
09 Coma Induzido (Bônus Track – Under a Funeral Moon/Darkthrone - cover) 

Formações: 
Senhor de tudo (2012) 
T. Splatter: Baterias de Fogo 
R. Lopes: Invocações Graves 
T. Caronte: Adorações norturnas 

Vida Longa ao Primitivo (2009) 
T. Splatter: Batendo 
V. Tenebra: Violando 
T. Caronte: Odiando 
R. Chaos: Discordando