Metal Chaos #26 > Imperatriz-MA

Marcus Headbanging Man | Fotos: Slanderer Possessed
Um festival envolvendo unicamente bandas de Metal Extremo, em um período no qual a maioria dos shows e eventos direcionados ao Heavy Metal em nossa cidade está contando com um público resumido, o mérito da coragem deve ser atribuído a organização e todos os apoiadores desta edição do festival. Foi uma noite de spikes, corpse paint, blast beats, peso metal e amizade. O local mais uma vez foi a Usina na Av. Beira Rio, local esse anunciado dois dias antes do evento, já que era para ser realizado em um outro local, o que não ocorreu devido desacertos entre o dono da casa e a organização do festival, toquemos o barco pra frente, essa mudança do local do show em nada afetou ou prejudicou no comparecimento do público, como também não influenciou na realização do evento como um todo. Bangers de Marabá, Belém, Ulianópolis, Açailândia, Santa Luzia,...eu tive a oportunidade de conversar com vários e constatar que a maioria das pessoas ali presentes eram das mais diversas cidades circunvizinhas, um bom público, algo que realmente fez o festival acontecer e ser o que foi, num tipo de união e amizade metal nunca antes visto por aqui.
Às 23:00h tivemos o início das apresentações com a banda encarregada de fazer a abertura do fest, os paraenses do Eternal Darkness DCLXVI, banda que está na ativa desde o ano 2000 e já tem três álbuns lançados até o momento, fazendo o velho e bom Black Metal Tradicional, com muita velocidade e melodia, intercalados com passagens mais cadenciadas e com bastante clima, muito bom show, eu tive a oportunidade de vê-los ao vivo no ano de 2004, na abertura do festival para o Cannibal Corpse, e percebe-se uma nítida evolução como músicos e através de suas composições. Após o termino do show do Eternal Darkness, podemos presenciar novamente o fenômeno da "evasão headbanger" que ocorre em todos os shows que acontecem na Usina, saem 80% do público para fora do local e ficam fumando, batendo papo, bebendo e até troca de materiais em vi desta vez, e o público só volta para dentro do local do evento aos sinais da próxima apresentação que nesse momento da noite seria o NervoChaos de São Paulo, que fez um ótimo show, Death Metal inspirado, bastante pesado e riffado,...eles estão no giro de divulgação de seu mais recente trabalho The Art of Vengeance, um ótimo disco, que estava sendo vendido a versão CD+DVD na banca de merchan do show por R$25,00. Particularmente achei o set list nesta apresentação do NervoChaos curto, tocaram poucas músicas, ou talvez estou enganado e o show é que foi muito bom e passou rápido demais, a turma tava aquecida e no aguardo das atrações principais que estavam por vir.

Uma avalanche Death Metal norueguesa chamada Blood Red Throne, foram os próximos a subir ao palco, foi uma imensidão e variação de peso, riffs, timbres, interação com o público, uma energia e inspiração rara de se ver, eles fazem um Death Metal com muitas influências distintas, em momentos você percebe influências de Cannibal Corpse, em outro Deicide e Monstrosity, uma verdadeira salada de inspiração Death Metal anos 90. O público curtiu e agitou a altura, respondendo a ótima apresentação da banda. Depois de mais uma das "evasões headbangers" chega a hora dos fechadores da noite o grande Enthroned da Bélgica. Banda de background e história no Black Metal europeu e mundial, com muitas mudanças de formação, mas sempre preservando sua postura e sua essência, percebe-se uma nítida valorização de suas raízes através de suas fantásticas músicas. Em tour mundial de divulgação de seu mais recente full lenght lançado em Abril deste ano, Sovereigns, as melodias, velocidade e profissionalismo apresentados por esse time de músicos é algo fantástico...em muitos momentos eram melodias tão acentuadas que se tinha a impressão de que havia uma tecladista fazendo "camas de harmonia" ao fundo, mas não, eram guitarra, baixo e batera fazendo tudo soar de maneira impressionante e extremamente sincronizada em ótimas músicas, o evento teve seu termino exatamente às 3:00h da manhã, todos visivelmente cansados, porém completamente satisfeitos e com a gratificação de ter presenciado e apoiado de alguma forma uma noite histórica, isso ficou estampado no rosto de cada um que ali estava.

Um grande evento e ótimos shows, parabéns a todos os envolvidos; bandas, organização e principalmente ao público que compareceu e prestigiou em um clima de metal e amizade. Mais uma vez, todos nós, mostramos que o Heavy Metal é auto-sustentável, havendo um bom senso e colaboração por parte dos membros do cenário banger da nossa região, podemos realizar eventos com bandas que a 15 ou 20 anos atrás eram algo inimaginável para nossa realidade. Nos vemos no próximo show. Hail Death Black Metal rules!