Order Of Tepes > Dust Bring Thy Misery‏

Pedro Hewitt

Formado por Nattens e Fan, a horda Order Of Tepes atua desde 2009, lançou uma compilação de suas duas primeiras demos em 2011 (Anthology) e em pouco mais de um ano lançaram o álbum no qual vos escrevo, ''Dust Bring Thy Misery'', que até então não fugiu do gênero blasfêmico Black Metal. Viciante e técnico é o que pode encontrar na execução impecável nas 7 faixas (Sendo uma intro). Quem admira esse tipo de sonoridade vai sentir a solidariedade de partilhar raízes diferentes querendo ou não., pois a horda é metade Brasil / País de Gales, mas atualmente Nattens reside no Brasil e sempre mostrando sua capacidade com seus projetos vindo dos camburões do submundo. 

O debut se da ínicio com a 'Intro / Preludium' e segue com 'Dart Dawn Of A New Age Of Chaos' com a base conhecida do gênero e a evidência completa nos primeiros riffs, com a profunda melodia e no mesmo tempo o ouvinte já sente o êxtase dos vocais bem organizados e bem firmes, gutturais como se fossem uma alma extravasando claramente. Razoáveis passagens instrumentais pesadas e bem graves.

95% do material é composto pela linguagem inglesa, mas 'Sob o Signo do Bode Negro' é obviamente em português (Somente há o trecho em inglês: ''...Under the command of the black goat...''), e o que deixa mais interessante é que grande parte de hordas parecidas ou com a mesma proposta, acabam por soar bastante maçantes, ou por não ter uma mudança que seja de valer a pena, as vezes até por possuírem faixas com longas durações, deixando o tédio bater por não ter tanta coisa empolgante. Nessa faixa não é somente uma letra que há para ''chutar a barraca'', há uma filosofia que merece ser interpretada de cima à baixo, um instrumental bem mais grosso e uma bateria mais variada. 

A faixa título já demonstra um nível mais extremo e bem mais longo (Essa sim é uma faixa que não possui um tédio infernal), muito bem trabalhada que utiliza a bateria como principal destaque no decorrer do tempo, os riffs bem mais cadenciados e ''mortos'' em alguns instantes (Me lembrou algumas passagens de DSBM), uma forma ótima de trazer ótimos pontos para a mente de todos os ouvintes, uma forma de mostrar que existe um lado mais negro do que se possa imaginar. 

Seguindo, a seguir vemos um rápido e sombrio instrumental que completa o álbum, como de costume ouvimos uma água e bases bem simples, deixando a faixa bem mais positiva e agradável sem surgir uma brecha. 

'Eternal In My Torment' já passa do TRUE ao DEPRESSIVE de vez. Os riffs se iniciam ao lado das batidas de forma mais brusca, com um belo solo no decorrer dos 3 minutos, e que consegue transmitir toda a sua potência e intensidade sem buscar exageros. ...E pra finalizar, 'Within The Dreadful Hour'. Se você estava esperando por algo realmente Black Metal, mas com uma característica do som um pouco mais diferente, assim como alguma anterior então você não esperou sem motivo. Não tenho comentários o suficiente pra definir essa faixa impecável que encerra esse petardo, somente uma faixa ''CABULOSA E REPLETA DE TÉCNICA''. Mesmo com essa divisão, o Brasil comparado com outros países, está sendo realmente muito bem representado pelo O.O.T. 

“Dust Bring Thy Misery'' é indicado a quem curte uma sonoridade ríspida e crua, curiosos ou aos radicais de plantão. Um álbum que convence de todo e que, com certeza, não dividirá tantas opiniões. 

Tracklist: 
Intro / Preludium
Dart Dawn Of A New Age Of Chaos
Sob o Signo do Bode Negro 
Dust Bring Thy Misery 
Lsbryd 
Eternal In My Torment 
Within The Dreadful Hour