GRAVE REAPER - POR LUCIO OLIVEIRA 02/09/10


Conte-nos de como surgiu a banda, e porque a mudança de Heavy Drinkers para Grave Reaper?
Thiago: A banda surgiu em 2007 com Lauro no baixo, Bruno Tormentor na guitarra, Beethoven Son of Satan na bateria e eu (Thiago) no vocal. A banda levava um som mais puxado para o Thrash Metal. Passamos por várias mudanças na formação, e com isso o som foi mudando e foi necessário após o consentimento de todos, mudarmos de nome, pois Heavy Drinkers já não condizia mais com o som que a banda estava praticando.

O som caracteriza-se por apresentar um Thrash/Black Metal sem firulas. Esta é a proposta da banda?
Thiago: Sim, tocamos thrash/black metal com influências que vão de Exodus a Darkthrone, mostrando um som calcado em nossas bandas favoritas.

Qual vem sendo a aceitação das músicas pela mídia e pelo público, Como estão sendo os shows da Grave Reaper?
Thiago: Acredito que foi bem recebida. Tivemos comentários positivos ultimamente sobre o som que estamos fazendo agora, e nossos shows ao vivo nunca soaram tão matadores. Está sendo uma boa época pra banda.

Acreditam que bandas de metal extremo estão tendo um espaço maior na cena underground?
Thiago: Acredito que sim, é só prestar atenção nos shows que vêm acontecendo por aqui. Está crescendo o espaço e mais gente cooperando pra ajudar a cena.

Com as ferramentas de divulgação na Internet como MySpace e outras, você acredita que as bandas não tem mais tanto interesse em lançar CDS prensado e com encarte?
Thiago: Cara, aí depende de cada banda, a divulgação não só pelo Myspace, como na internet em geral deixa as coisas mais fáceis e baratas, num tempo em que se gasta muito com gravação e produção e não se tem o retorno esperado.

Como a banda enxerga a situação na cena nacional e local, estado do Maranhão, nos dias atuais? Você acha que ainda há um bom envolvimento da cena maranhense não só com o Metal Extremo mas com o Rock em geral?
Thiago: Decaiu em relação ao público, os shows têm dado menos pessoas. Alem disso há muitas intrigas e fofocas. Fora que sempre tem alguém pra atrapalhar o que gente arduamente trabalha pra criar.

Hoje o que é chamado de White Metal se consolidou no cenário do Metal, isso em todo o mundo. Algumas bandas que, inclusive, dizem-se Black Metal seguem esta "tendência". Qual a sua opinião a respeito deste "movimento"?
Thiago: Isso para mim é piada, White Metal NÃO É METAL! É algo totalmente contraditório.

Sobre os planos futuros, o que pretendem fazer daqui pra frente?
Thiago: Gravaremos a demo daqui a alguns dias, e provavelmente estaremos lançando-a em outubro ou novembro. Daí faremos todo o trabalho de divulgação, além de esperarmos tocar em mais shows pela frente.

Nos diga quais os melhores álbuns, em sua opinião, dos anos 70, 80 e 90?
Thiago:
70’s
Rush – 2112
Ufo – phenomenon
AC/DC – TNT
80’s
Bathory – bathory
Sarcófago – INRI
Running Wild – Gates to Purgatory
90’s
Darkthrone – Soulside Journey
Desaster – Touch of Medieval Darkness
Judas priest - Painkiller

Obrigado pela entrevista. Deixo o espaço para a banda. Caso tenha algo a acrescentar aqui, fiquem a vontade.
Thiago: Eu é que agradeço a oportunidade, e em breve teremos novos sons no nosso Myspace
www.myspace.com/gravereapersatanicmetal.
Continuem apoiando o underground!